Doença e síndrome de Menière

Neste post vou falar sobre causas, sintomas, diagnóstico e tratamento da doença de Menière, uma das labirintopatias crônicas mais comuns e  incapacitantes do nosso meio. Para um texto mais resumido, clique aqui.

Sintomas da síndrome de Menière

A doença de Menière se manifesta através de  vertigem- tipo de tontura com sensação de rotação, seja sensação que a pessoa está rodando no ambiente ou que o ambiente está rodando em volta da pessoa- associados à perda auditiva, a zumbido e a sensação de ouvido entupido, em episódios recorrentes. Esses últimos acontecem, por definição, em apenas uma orelha. Os sintomas ocorrem todos juntos e em crises, cuja duração pode variar de minutos até horas, mas  não chegam a durar dias. No início, os sintomas somem completamente entre uma crise e outra. Com a progressão da doença, a perda auditiva e o zumbido se tornam permanentes, assim como um tontura leve, sem vertigem, mas com sensação de desequilíbrio, principalmente nas mudanças de posição (deitar, levantar). 

Para alguns pacientes, o sintomas mais incapacitante é a tontura, para outros, o zumbido, mas também pode ser a perda auditiva. 

Causas da Síndrome de Menière

A causa desses sintomas é o aumento do volume do líquido, chamado endolinfa, dentro da cóclea e dos órgãos vestibulares. Esse fenômeno é denominado hidropsia endolinfática.

Fig 1- hidropsia endolinfática

Fig 1- Hidropsia endolinfática

A hidropsia tanto pode ocorrer de forma idiopática (sem causa específica), situação que chamamos de doença de menière, como pode ser secundária a outras doenças, como hipotireoidismo, diabetes, aumento de insulina (hormônio que controla a glicose, ou seja, açúcar do sangue), aumento de colesterol ou triglicérides, erros alimentares,  insuficiência  da glândula suprarrenal ou hipófise, sífilis,  traumas, infecções virais, tumores, anemia, doenças auto-imunes, malformações da orelha interna e outras. Essa última situação é chamada de síndrome de menière, que pode ser completamente revertida com o tratamento de sua causa. Essa diferenciação é muito importante no tratamento dessa condição.

Diagnóstico da doença de Menière

O diagnóstico é basicamente clínico, ou seja, depende da história dos sintomas e alterações presentes no exame físico do paciente, associados a poucos exames, principalmente audiometria. 

Os critérios diagnósticos, definidos pela Barany Society, em 2015 são:

Doença de menière definida:

-Dois ou mais episódios de vertigem, cada um durando de 20min a 12h;

-Perda auditiva neurossensorial de alta e média frequência  em uma orelha documentada em audiometria em pelo menos uma ocasião ou após um episódio;

-Sintomas auditivos flutuantes ( perda auditiva, zumbido ou sensação de ouvido entupido);

-Não mais bem explicado por outra doença vestibular.

Doença de Menière provável

-Dois ou mais episódios de vertigem, cada um durando de 20min a 24h;

-Sintomas auditivos flutuantes ( perda auditiva, zumbido ou sensação de ouvido entupido);

-Não mais bem explicado por outra doença vestibular

Como se pode notar, na doença provável, a perda auditiva não é documentada em exames. Portanto, a audiometria é exame essencial, embora outros exames possam ajudar, principalmente nos casos de dúvida diagnóstica. São eles:

  • Eletrococleografia(EcohG): exame que faz algumas medições do nervo coclear para tentar demonstrar a hidropsia endolinfática. Deve ser feito durante a crise de tontura, mas tem acurácia relativamente baixa, por dificuldades na execução do exame, já que idealmente deveria ser feito com uma agulha que passa pela membrana timpânica.
  • Eletronistagmografia: exame que o estuda o nistagmo (movimento do olho rápido e repetitivo presente nas doenças do labirinto). Deve ser feito fora do período da crise porque piora a tontura.
  • Potenciais evocados vestibulares(VEMP): avalia o funcionamento do nervo vestibular, assim como a EcohG, mas de forma não invasiva e com detecção mais precoce das alterações.
  • Teste do impulso encefálico (v-HIT): estuda um reflexo entre o olho e o labirinto, chamado de reflexo vestíbulo-ocular, que pode estar diminuído durante a crise de tontura. 
  • BERA/PEATE (Potencial Evocado Auditivo do Tronco Cerebral): exame empregado para investigar causas de perdas auditivas do tipo neurossensorial e principalmente unilateral.

São recomendados, ainda, exames de sangue e exames de imagem ( tomografia e ressonância da orelha) para pesquisa de uma doença de base, que pode ser tratada e reverter completamente os sintomas, ou para excluir outras enfermidades.

Tratamento da doença / síndrome de Menière

O tratamento é dividido em tratamento das crises de tontura e tratamento profilático (evitar crises e progressão da doença).

O tratamento das crises envolve medicações, chamadas de supressores vestibulares, com flunarizina, meclizina, dimenidronato, entre outros. Estes devem ser usados pelo menor tempo possível, já que impedem a compensação vestibular (recuperação do equilíbrio pelo próprio sistema vestibular). 

O tratamento preventivo pode envolver medicações, principalmente a betaistina e os diuréticos tiazídios (hidroclorotiazida), mas também envolve mudanças alimentares, principalmente aumento da ingesta de água ( 35ml/kg/dia), diminuição da ingestão de sal, restrição de estimulantes labirínticos (principalmente xantinas, presentes no chocolate, e cafeína, presente em café, chás, suplementos alimentares), restrição de álcool e nicotina, restrição de ingesta de glutamato monossódico (substância presente na maioria dos produtos industrializados ultraprocessados), além do tratamento do estresse e da fadiga (que pode envolver apoio psicológico). Também é realizada a reabilitação labiríntica, que são exercícios que estimulam e treinam o equilíbrio, e objetivam a compensação vestibular. 

O uso de corticóides (através de comprimidos ou injeções), por sua vez, é reservado aos pacientes com quadro mais intenso ou secundários a doenças do sistema imunológico. 

Também há tratamento cirúrgico, reservado para casos incapacitantes, e pode ser feito por injeção de medicamentos (corticóide, que não atrapalha a audição, e gentamicina, que pode alterar a audição) dentro da orelha, descompressão do saco endolinfático (estrutura que armazena a endolinfa, com objetivo de diminuir a hidropsia endolinfática),  neurectomia vestibular e até labirintectomia. Esses últimos dois procedimentos são considerados ablativos, por causar destruição da estrutura ou função do ouvido, e serem irreversíveis. Portanto, raramente são realizados.

Dra Kênia Assis Chaves

Médica Otorrinolaringologista

CRMMG 52018

RQE 33072

Quer agendar uma consulta? Acesse nossa página de agendamento.

Posts recentes

Rouquidão

Rouquidão ou disfonia é o sintoma mais comum de doenças nas cordas vocais. Pode ser desde uma simples infecção (laringite), uma doença benigna (como os

Ler mais »

Sua orelha coça e dói?

Pode ser micose da orelha. A otomicose ou otite externa fúngica corresponde ao crescimento de fungos no canal do ouvido, sendo associada ao aumento da

Ler mais »

Marque sua consulta:

Kenia Assis Chaves - Doctoralia.com.br

Entre em contato:

Local de Atendimento

Endereço: Consultório, Rua Professor Benjamin Coluci 100, Juiz de Fora

Telefones: (32) 3215-7064 ou (32) 3313-6007

Whatsapp: (32) 99118-5055