Você já reparou que a gente consegue parar de escutar certos sons? Quando estamos estudando e concentrados, por exemplo, paramos de escutar barulho de pessoas conversando ao nosso redor, barulho de ventilador ou ar condicionado, e mesmo do computador. Chamamos esse fenômeno de habituação. Quanto mais calmos e tranquilos estamos, mais facilmente fazemos isso. Quanto mais ansiosos e preocupados estamos, mais difícil é parar de escutar esses sons ao nosso redor. 

Sabia que você pode fazer a mesma coisa com o zumbido? Esse tratamento é chamado de terapia sonora. Ela se baseia na enorme plasticidade do sistema nervoso, ou seja, na sua enorme capacidade de adaptação, modificando  conexões nervosas e funcionamento. É possível habituar-se a qualquer sinal sensorial (som, cheiro, imagem, sensação tátil), desde que ele não tenha um significado negativo.

Papel do sistema límbico e do sistema nervoso autônomo

Sempre que escutamos um som, nosso sistema límbico atribui a ele um significado bom (prazer, carinho, aconchego) ou ruim (ameaça, perigo). Isso desperta alguns reflexos do sistema nervoso autônomo, chamado de reação de fuga ou luta ou estresse agudo. Imagine você escutar um alarme de incêndio e logo disparar um reflexo de  correr, o coração bater mais rápido, respirar mais rápido, aumentar a quantidade de sangue que chega nos músculos, cérebro e coração, e ficar mais atento aos pensamentos espontâneos e reflexos (reagir no impulso, sem pensar muito). Esse reflexo é extremamente importante para nossa sobrevivência, já que nos protege dos perigos. 

Agora imagine despertar esse reflexo várias e várias vezes por dia. Isso vai nos deixar num nível de estresse grande, incompatível com nossa vida em sociedade e com nossos compromissos de trabalho, não é mesmo? E é exatamente isso que acontece quando temos zumbido e nosso cérebro o interpreta de maneira ruim, como um sinal de alerta para uma doença grave, por exemplo.

Aconselhamento

A habituação só ocorre se o zumbido não estiver associado a significados negativos. 

Esse processo de neutralizar os significados negativos do zumbido ou desmistificá-lo é chamado de aconselhamento. Normalmente o profissional pergunta ao paciente o que o zumbido representa para ele e quais são seus medos, além de explicar como o zumbido é gerado, percebido e perpetuado.  Informar, explicar e esclarecer permitem que o paciente passe a lidar com a queixa em outro nível, em que as especulações perdem espaço, sendo substituídas pela formação de um ele saudável, com base na técnica e no bom senso. 

Enriquecimento sonoro

Em primeiro lugar, promovemos a redução do contraste entre o zumbido e o ruído de fundo. Para entender melhor, imagine uma vela acesa num quarto escuro. Ela vai chamar muita atenção e torna-se um ponto de referência.  Agora imagine a mesma vela num quarto com bastante iluminação. Neste caso, a vela quase não desperta nossa atenção  e quase não a vemos. Este é o mesmo princípio usado no enriquecimento sonoro. Usamos ruídos de fundo para diminuir o contraste e a percepção do zumbido. 

O tipo de som oferecido deve ter caráter neutro, ou seja, não incomodar nem chamar a atenção, e sempre nos dois ouvidos. Pode ser oferecido por sons ambientais ou por geradores de som, acoplados ou não a aparelho auditivo. Os geradores de som oferecem um som estável, e níveis adequados e de banda larga (estimulam toda a cóclea). 

Importante dizer que esse som não pode encobrir o zumbido ou ser mais intenso que ele, de forma que o paciente não escute mais o zumbido. Quando isso acontece, dizemos que é feito o mascaramento do zumbido. Apesar de produzir efeito imediato, o mascaramento não produz nenhum efeito quando o som é retirado. Para ocorrer habitação, é necessário que se escute o zumbido e o ruído de fundo.

Seu uso deverá ser diário, perfazendo um total 8h por dia, mas não precisa ser 8h seguidas, pode ser intervalado e durante o sono) e em média 18 meses. 

Apresenta um alto índice de sucesso, em torno de 80% para os pacientes que completam o tratamento. Esse sucesso consiste tanto em parar de escutar o zumbido quanto parar de se incomodar com o zumbido).

Vantagens

Seguranca: Não há efeitos colaterais 

Universidade:  trata o zumbido independente da sua etiologia.

Alto índice de sucesso, que gira ao redor de 80%.

Desvantagens

Início lento de resultado (em torno de 6 meses)

Duração longa (em torno de 18 meses)

Custo financeiro e estético 

Necessidade de profissional com alto nível de treinamento. 

Dra Kênia Assis Chaves

Médica Otorrinolaringologista

CRMMG 52018

RQE 33072

Quer agendar uma consulta? Acesse nossa página de agendamento

Posts recentes

TODO ZUMBIDO É SURDEZ?

Quem me acompanha aqui já sabe que NÃO! É fato que para o zumbido começar, tem que ter alguma lesão ou alteração do funcionamento da

Ler mais »

Entre em contato:

Local de Atendimento

Endereço: Consultório, Rua Professor Benjamin Coluci 100, Juiz de Fora

Telefones: (32) 3215-7064 ou (32) 3313-6007

Whatsapp: (32) 99118-5055